quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Noite

Deixo-me tomar pela noite. Tomar, aconchegar, estreitar. A noite não descansa, arqueja com todos os seus suspiros e oferece-me um concerto amortecido. Quem arrola tantos sons como ela? O jazz pulsa, desventra a cortina das percepções. Um saxofone soprano aparta as abas da razão a fim de proferir um grito tributado às estrelas. Abre-se uma janela, sobredose de emoções, uma vida que se questiona: como, onde, até quando? Êxtase e retracção. As interrogações condensam em si as lassidões reaparecidas ao nascer do sol. As respostas acham-se nas ruas da escuridão, matriz onde se extasiam os imaginários, pois é aí que as ficções tomam corpos e almas, no próprio instante. Elas assemelham-se ao amanhã, depois de amanhã, as avenidas, as pedras, plenas figuras do destino. Sabemos que iremos mover-nos ali e não noutro sitio, no interior de cenários efémeros, momentâneos, transitórios. Às vezes mais vale dormir.

14 comentários:

  1. Respostas
    1. Depois de dormir, dormi bastante bem.

      Eliminar
    2. aí está uma resposta que nunca me tinham dado...

      Eliminar
    3. Logo mais vou tomar banho com as ervas.

      Eliminar
  2. Respostas
    1. As respostas encontram nas ruas da escuridão.

      ( aproveitei para rectificar a gafe de "excuridão" para escuridão)

      Bom dia. :)

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Ao outro dia, no mesmo lugar, tudo é efémero e transitório.

      Bom dia, Larissa.

      Eliminar
  4. É de noite que tudo nos consome e o nada se agiganta...

    Bom Dia, Impontual.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. …e quando isso acontece, tomamos a forma de uma gaivota dependurada do nada...

      Eliminar
  5. Quantas vezes durante a noite vivo outra vida bem diferente e, acordo vazia, loool . Amei


    Beijo e um tarde feliz

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar